Escola do convento de Montserrat

O Col.legi Montserrat em Barcelona é uma das escolas mais inovadoras em Espanha. A escola afastou-se do sistema tradicional de silêncio e de escuta e enveredou pelas explicações e pelo incentivo às discussões. Os meios? Qualidade acústica e absorção de baixa frequência.

O Col.legi Montserrat é um centro educacional em Barcelona. Inaugurado em 1926, é dirigido pelas missionárias Hijas de la Sagrada Familia de Nazaret e tem aulas desde o pré-escolar até à partida dos estudantes para a universidade.

O estabelecimento foi criado tendo em mente um ensino de qualidade, excelência e inovação e segue um modelo de aprendizagem personalizado em que os estudantes trabalham em grupos colaborativos, centrados no talento individual e no diálogo.

María Marta Molina, chefe da secção Pré-primária e Primária.

María Marta Molina, chefe da secção Pré-primária e Primária.

Os primeiros passos para uma sala de aula em espaço aberto

Há oito anos atrás, a escola fez várias alterações arquitetónicas ao edifício. Isto coincidiu com a introdução de uma nova metodologia e organização e com uma mudança no papel dos professores, criando um tipo diferente de espaço e uma nova forma de trabalhar.

Em 2014, a escola passou das tradicionais salas de aula celulares para salas mais abertas, permitindo a realização de diferentes atividades de aprendizagem no mesmo espaço: trabalho de grupo colaborativo, discussões e explicações, projeções ou seminários em que uns falavam e outros escutavam. A nova dinâmica de trabalho também exigia uma acústica muito melhorada nas salas de aula.

format_quote

O estudante é o foco principal, por isso era importante que quaisquer mudanças também incluíssem uma melhor acústica.

“Os estudantes precisam de se ouvir claramente uns aos outros quando estão a trabalhar em grupo, bem como de ser capazes de ouvir o professor. Cada turma precisa de se adaptar a diferentes estilos de ensino. A boa acústica facilita o trabalho em pequenos grupos e a capacidade dos alunos para se concentrarem no professor e ouvirem vídeos”, salienta María Marta Molina, chefe da secção Pré-primária e Primária. 

“Quando planeámos os melhoramentos arquitetónicos, também tivemos um olhar atento sobre o alcance da audição. O estudante é o foco principal, por isso era importante que quaisquer mudanças também incluíssem uma melhor acústica”, acrescenta María Marta Molina.

Um novo perfil de aluno

Salas de aula abertas

A mudança das tradicionais salas de aula celulares para espaços mais abertos tornou essencial uma boa acústica.

A escola não só está a tentar assegurar que os seus alunos sejam capazes de se concentrarem, mas também está a procurar permitir o trabalho colaborativo através de um ensino dinâmico que é completamente diferente do ensino tradicional. Para tal, tanto o aluno como o professor devem ser capazes de falar sem levantar a voz e não ser distraídos por grupos que falam à sua volta. Estudos recentes indicam que nos últimos anos das escolas primárias, entre 30 e 40 por cento das crianças sofrem de deficiências auditivas, tornando ainda mais difícil para elas aprenderem se a acústica for fraca. Uma boa acústica é, portanto, essencial.

A necessidade de uma boa acústica em diferentes espaços

A acústica num ambiente de ensino não afeta apenas as salas de aula. A boa acústica também conduz a um ambiente mais propício noutras áreas coletivas, tais como os corredores, cantina, música ou áreas desportivas. Para assegurar as melhores práticas e o cumprimento dos regulamentos europeus, a escola optou primeiro por implementar uma solução na cantina, seguida de duas das maiores salas de aula. Utilizaram painéis de teto e de parede com elevadas qualidades de insonorização para criar o melhor ambiente de aprendizagem possível para este novo modelo de ensino e também para fazer melhorias para pessoas com deficiências auditivas.

A absorção de baixa frequência foi a chave para o sucesso

Jens Guldbaek, arquiteto e consultor em ambientes de ensino da LOOP.bz, foi o gestor de projeto para a renovação.
”Embora tenha havido uma melhoria considerável no ambiente sonoro, descobrimos que os níveis de som continuavam mais elevados do que os peritos podiam esperar, devido à grande quantidade de estudantes em cada sala. Estávamos determinados a tornar os espaços de aprendizagem ainda melhores”, diz Jens Guldbaek. “Fomos mais longe com uma maior absorção de baixa frequência até um nível nunca antes conseguido.” 

A experiência e a intuição de Jens Guldbaeks acabaram por estar certas. “Funcionou e acreditamos fortemente na necessidade de uma maior absorção de baixa frequência. Cria um ambiente sonoro mais natural para a fala e a audição. Na verdade, não é possível absorver em excesso nestas frequências baixas. Na maioria destes tipos de edifícios, o som de baixa frequência é na realidade amplificado, o que os torna péssimos para a comunicação da fala.”

Professor e aluno

Tanto estudantes como professores sentiram vários efeitos positivos com a remodelação acústica.

O ruído nas salas de aula causa stress

Uma sala de aula típica tem geralmente muito ruído, seja do equipamento, das vozes ou do próprio mobiliário. Tanto professores como alunos sofrem de diferentes problemas relacionados com o ruído. Alguns professores sentem-se stressados, outros desgastados, ou podem mesmo perder as suas vozes.

“É difícil concentrar-se quando se tem um espaço que pode acomodar 72 estudantes. Sem esta mudança arquitetónica, o espaço polivalente que tínhamos planeado teria sido impossível de trabalhar. Havia duas áreas a abordar: a acústica era fraca, o que significava que era muito difícil concentrar-se e os níveis de som eram elevados, o que afetava a forma como trabalhávamos”, diz Juan Linares, professor de tecnologia.

format_quote

Logo que um professor ou aluno consiga explicar algo sem ter de levantar a voz, a pessoa que está a ouvir reage imediatamente de forma mais positiva.

“Após a remodelação (acústica), notámos várias mudanças: os professores deixaram de usar um microfone, o que estava a distorcer o som. Agora, mal precisamos de levantar a voz e podemos ter diferentes grupos a trabalhar juntos na mesma sala de aula com o professor a falar e os restantes a ouvir, enquanto outros estudantes trabalham juntos em grupos. Os estudantes acham mais fácil compreender a informação porque não estão a esforçar-se tanto para a ouvir”, acrescenta ele.

Também os estudantes notam a diferença. “Concentramo-nos mais e o nosso trabalho é melhor”, comenta Jordi Sabé Santacana, um estudante do ensino secundário. 

Claudia Fernández Arévalo, outra estudante do ensino secundário aponta: “O som costumava propagar-se, agora podemos concentrar-nos no nosso grupo e não conseguimos ouvir os outros grupos. É um ambiente muito melhor e o som é mais claro.”

“Logo que um professor ou aluno consiga explicar algo sem ter de levantar a voz, a pessoa que está a ouvir reage imediatamente de forma mais positiva”, diz Juan Linares.

A acústica é a melhor amiga de um professor

Esta solução levou a uma nova dinâmica no centro e nas salas de aula. Impulsionou a mudança e permitiu à escola alcançar o seu objetivo fundamental: ter o estudante no centro da experiência de aprendizagem. María Marta confirma isto: “Estes elementos ajudaram-nos certamente a fornecer a qualidade e excelência que procurávamos na primeira remodelação, e iremos sem dúvida procurar replicar isto noutras salas de aula. É importante compreender que a acústica também é vital e que algo pode ser feito a esse respeito.”      

Produtos utilizados para criar um bom ambiente sonoro na escola do convento de Montserrat:


Texto:
 Lourdes Redondo Bacaicoa

Fotografias: Pablo Cueva Junghanns