O conceito de calma

No Sandwell General Hospital em Birmingham, Inglaterra, a substituição do antigo forro metálico não perfurado por um forro "Classe A" com alta absorção sonora, reduziu bastante os níveis de ruído nos corredores da Ala Priory 4.

Pessoas & Design Healthcare

Quando o Sandwell General Hospital iniciou o projeto de reforma da Ala Priory 4, Cundall realizou medições dos níveis de ruído antes e depois. Antes da reforma, o forro era composto por placas metálicas não perfuradas, comuns em hospitais mais antigos.

 

Era um ambiente bastante barulhento, já que todas as superfícies eram lisas com acabamentos duros. A única absorção vinha das cortinas que separavam o corredor das enfermarias.

Devido às restrições de teste em um ambiente de trabalho hospitalar, as trocas de forro foram permitidas apenas na área do corredor. No entanto, só essa ação produziu uma melhoria significativa na acústica no corredor e na enfermaria.

 

A conclusão bastante simples e óbvia é que a área do corredor ficou mais silenciosa. Uma razão importante é que o som não se desloca tão facilmente como antes”, explica Andrew Parkin. “Nosso relato mostra que uma simples reforma pode ter um impacto bastante profundo. O nível de ruído das atividades foi reduzido em até oito decibéis, o que é percebido como quase a metade do volume”.

Na área do corredor remodelado, o antigo posto das enfermeiras foi substituído por um posto de enfermagem aberto. Ao melhorar as linhas de visão e o acesso aos pacientes, seria de se esperar que fosse mais barulhento do que o layout anterior, mas os níveis de ruído ainda são mais baixos.

 

“No posto de enfermagem, há pessoas conversando, telefones tocando, alarmes tocando, lixeiras sendo abertas e fechadas e assim por diante. Muitos desses sons são breves e agora são reduzidos na origem. O som é absorvido mais rapidamente e percorre distâncias menores”.

De acordo com Andrew Parkin, a acústica dos corredores no setor de saúde é um problema subestimado e esquecido. Um fator de grande importância é o controle da infecção. “Alguns gerentes de hospitais acham que não se pode ter absorção sonora porque isso dificulta o controle de infecções. Mas você realmente pode combinar absorção sonora e controle de infecção. É uma questão de ensinar as pessoas certas que a absorção sonora e o controle de infecção podem coexistir”.

 

Andrew Parkin fala sobre “o conceito de calma”, identificando-o como a principal descoberta do relato. A simples introdução de absorvedores muda o ambiente geral do espaço. “Isso é difícil de quantificar objetivamente, mas é mais bem retratado pelo ruído de fundo”, explica. “Quando os espaços são reverberantes, existe uma tendência para o aumento do ruído e para as pessoas falarem mais alto para serem ouvidas acima do ruído. Com uma reverberação bem controlada, as pessoas tendem a ficar mais quietas, tanto consciente quanto subconscientemente. Embora o nível de ruído de fundo seja reduzido em apenas três a quatro decibéis, os fatores humanos tornam a redução geral de ruído muito mais significativa”.

 

Andrew Parkin cita o estudo Essex em ambientes educacionais como exemplo. “Esse estudo mostra que uma melhor acústica tem um impacto tão positivo que vai além dos aspectos físicos. Todo o lugar fica mais silencioso, as pessoas se comportam melhor e simplesmente se torna um ambiente melhor para se estar”.

 

Esta animação explica por que o ambiente no Sandwell General Hospital agora é percebido com a metade do volume de antes:

 

 

Texto: Lars Wirtén